segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Barcelona, minha vida não é você


Respeito o direito de um torcedor como o Clóvis Rossi. Clóvis é um baluarte do jornalismo. Mas não é mais palmeirense. Para ele, o Palmeiras "murchou" e ficou "feio". Ele tem vergonha de andar de braços dados com o Palmeiras na rua. No link, tem mais sobre essa vergonha dele. Cara, se eu tivesse um sentimento desses, eu também pularia fora.

Até porque não dá para ser palmeirense "só um pouquinho". Se você for palmeirense, você tem de saber que seu time vai ter (mais) fases péssimas (do que boas). Mas que você, por ser palmeirense, vai ter de amá-lo, principalmente quando ele fizer tudo errado. Dá trabalho.

Também dá pouco resultado prático. Não, o Palmeiras não é nada pragmático. Está aí uma torcida que pode falar que não vive de títulos. Mas está aí também uma torcida orgulhosa. Às vezes, cega. Porque a coerência não é nada quando comparada ao Palmeiras, para muitos. Tá, para a maioria.



Mas se o que você gosta é futebol bem-jogado, olha, pode até ser que, daqui a um tempo, isso aí aconteça de novo. Mas é mais provável que você vá ver jogadores mais esforçados (se Deus quiser), do que bons. Você vai xingar a maior parte deles - talvez todos, em momentos diferentes. E ao mesmo tempo.

Mas olha, a gente é assim mesmo. A gente gosta de ir no estádio passar raiva. A gente fala que não, mas gosta de ter algo para xingar também. Nos anos 90, quando tudo ia bem, os palmeirenses escolhiam um ou outro para xingar, só para poder reclamar de algo. Até a piscina aquecida foi hostilizada, naquela época.

E quando ganha? Cara, é uma sensação indescritível. Até porque, hoje em dia, está meio escasso. Por algumas horas, dias, tudo na sua vida se torna melhor. Trânsito? Ah, que se dane. O Palmeiras foi campeão. Falta grana? Palmeiras, minha vida é você! E vamos que vamos. Deve ser assim com os outros torcedores, também. Eu não sei. E nunca vou saber.

E aí, eu até invejo o Clóvis Rossi, de certo modo. Porque, imagina só, ver ali, uma camisa do Palmeiras em campo, e colocar em outro canal, para ver o Barcelona. Cara, que desprendimento! Como lidar com aquelas imagens antigas, de ser um molequinho na arquibancada, de mãos dadas com o pai? Putz, cara, eu não consigo não, Clóvis.

Para falar a verdade, acho que 98% dos palmeirenses não conseguem. Dos que eu conheço, nenhum. Já vi até uns fingirem que abandonaram o time. Mas eles sempre voltam. E sempre prometem que já não são mais fanáticos. Mas ficam iguaizinhos, apenas disfarçam melhor.

Enfim, Clóvis, boa sorte aí com o Barcelona. Você deve estar empolgado com a Champions, La Liga, Copa del Rey e tantos outros. O seu ano vai ser bem mais legal que o meu, pode ter certeza.

De qualquer forma, eu e o Palmeiras vamos estar ali, em algum lugar entre Arapiraca (vejam vocês!) e o Rio Grande do Sul. Talvez, até na Arena. Qualquer coisa, dá uma ligada. E desculpe os erros de grafia. É que os últimos dias foram meio complicados. De ontem para hoje, não dormi muito bem.

5 comentários:

  1. Desculpa, mas quem tem a pachorra de escrever um texto como o do Clóvis Rossi fui tudo menos palmeirense, aliás, sequer torcedor. Se ele quis ser irônico, faltou talento e graça. Não fez sentido algum. Torcer é sofrer e ponto final. Belíssimo texto e nos vemos na cancha.

    ResponderExcluir
  2. lindo demais este texto....haja despreendimento Sr Rossi. Que o sangue italiano que corre em suas veias não preguem uma surpresa em ti.

    ResponderExcluir
  3. Que texto maravilhoso... na verdade nem sei quem é Clovis Rossi, os Rossi's que conheço é o Reginaldo Rossi e o que queria ser prefeito de SP, lembram?

    Agora, algo que conheço bem, e muito bem é o Palestra, o Palmeiras, esse eu faço questão de conhecer mais, minha mulher feia, minha divorciada predileta, é com você que me casei, é com você que vou viver o resto da minha vida.

    Quanto a esses tipos ai que se dizem torcedores, vão com Deus, vão e fiquem lá... vocês são ridículos não podem ser chamados de torcedores... Aqui é Palmeiras, aqui sofre muito e comemora pouco, em quantidade, pois em qualidade, quando comemora é um êxtase total...

    Gostei muito do texto e está na minha TL no Face...

    ResponderExcluir